Corpo Completamente Para Muita Fit na Sua Vida

Não tem sensação mais gostosa do que a de bem-estar... Por isso, FIT na sua vida, pois uma vida light deixa as amizades mais gostosas, os acontecimentos mais leves e transforma o exercício em muito mais do que um hábito, faz dele um prazer.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Pilates para todas as idades

Com o passar do tempo, o pilates se adaptou às particularidades de cada etapa da vida: crianças, adultos, gestantes e idosos podem investir no exercício




Crianças
Para o público infantil, os métodos são lúdicos e geralmente não se usam os aparelhos. Um benefício é a melhora da postura e o conhecimento do corpo, que perdura para sempre.

Adultos
Os movimentos que visam o fortalecimento muscular, coordenação e equilíbrio garantem, no fim das contas, proteção contra lesões. Isso sem contar que há uma relação entre essa atividade física e a redução de dores, principalmente as lombares.

Gestantes
Há restrições claras, como exercícios de alta carga ou que exijam muito das articulações. Mas, seguidas essas regras, o pilates combate incômodos comuns da gravidez, além de desenvolver músculos que ajudarão a tornar o parto mais tranquilo.

Idosos
Quem lança mão da modalidade após os 60 anos apresenta um menor risco de sofrer quedas que, aliadas à osteoporose, podem causar fraturas. Só deve haver acompanhamento próximo e cuidados com doenças como a artrose. 

Versões modernas
Elas seguem os preceitos básicos do pilates, porém com algumas particularidades:

Stott
Sua proposta é trabalhar com os desvios naturais da coluna de cada um em vez de buscar uma única postura perfeita. Os exercícios tendem a ser mais suaves.

Hidro
Muitos dos gestos são similares, só que feitos dentro da piscina. Hoje, há até equipamentos especialmente desenhados para serem postos embaixo da água.

Power
É uma forma acelerada quando comparada à original. Por isso, ativa mais o sistema cardiovascular e queima calorias extras. Por outro lado, não traz tanto equilíbrio e força.

Fonte: Revista Saúde.

As duas unidades da Espaço Fit Academia oferecem Pilates. Saiba mais!

terça-feira, 12 de junho de 2012

Casal que malha junto...


...malha mais e mais feliz. Conheça três histórias que comprovam a teoria

Por Marcia Di Domenico | Fotos Caio Mello (BOA FORMA)



Ginástica a dois

A disposição do seu namorado pode ser aquele empurrãozinho que faltava para você abraçar de uma vez por todas a atividade física. Se ele já a convidou para acompanhá- lo na academia e você recusou, repense sua decisão. Como vai ver nos depoimentos a seguir, quem aceitou não se arrepende. “Malhar em dupla é, sem dúvida, muito mais estimulante do que ir para a academia sozinha. Um incentiva o outro a não faltar e até mesmo a pegar mais firme no treino”, diz Almeris Armiliato, consultor de fitness, de São Paulo. No caso de namorados ou casados, a experiência também enriquece a relação. “Durante o exercício pode acontecer um clima de cumplicidade, de carinho que, às vezes, não sobra tempo para a gente ter em casa”, fala o consultor.
O contrário também pode acontecer: você convencer seu namorado a acompanhála na sua rotina fitness. O único perigo – contornável – da malhação em dupla é perder o foco no exercício em si. “Principalmente no início, é comum a dupla deixar a malhação em segundo plano e esquecer da vida conversando, o que tira a concentração”, observa Ricardo Cunegundes, consultor médico da Body Systems, de São Paulo. Problema que se resolve com um pouquinho mais de atenção nos movimentos.
Para a malhação a dois ser um sucesso, o mais importante é compartilhar uma modalidade que seja interessante para os dois e tirar dessa experiência o melhor proveito possível. Inspire-se!



Acabou o medo da concorrência

Quando Tatiana começou a namorar Thiago, campeão de jiu-jítsu, não achou que sua rotina, tampouco que o seu abdômen, iria mudar. Quando era adolescente, Tati fazia balé, mas estava parada há bastante tempo. Ela era magrinha, mas não tinha uma curva definida. “Quando viajávamos para a praia, percebia que ele olhava para as outras meninas e, às vezes, de brincadeira, me comparava com elas. Comecei a ficar insegura”, conta. “Eu olhava as fotos antigas da Tatiana e insistia que ela deveria voltar a treinar para recuperar o corpo lindo que tinha quando dançava”, diz o namorado. A insistência deu certo. Ela se matriculou na mesma academia que ele, superou sua falta de fôlego e pique e virou uma companheira e tanto para o lutador. Hoje, quatro vezes por semana, os dois se encontram na academia após o trabalho para seções de musculação, bike indoor e esteira. Depois, cada um segue para sua modalidade favorita – Thiago para o jiu-jítsu e Tati para aulas de localizada ou alongamento. Ficam cerca de três horas na academia. Com isso ela perdeu, de uma vez por todas, o medo da concorrência. De quebra, o relacionamento ficou bem mais firme. Com a malhação, eles acabam se vendo quase todos os dias e não apenas nos finais de semana, como acontecia no começo do namoro.



Mais tempo para o romance

Rafaella sempre foi malhadora de carteirinha. O marido se sentia satisfeito apenas com a partida de futebol semanal. Com a exceção do mergulho, que os dois curtem e praticam esporadicamente, a rotina de atividade física do casal era assim, discordante. Tudo bem, até que começou a faltar convivência. “Eu saía muito cedo para trabalhar e quando voltava, à noite, a Rafaella estava na academia. Acabava jantando sozinho e o tempo que tínhamos para conversar era de apenas uma hora, pois também vou para a cama cedo”, recorda Dan. “Ele começou a se queixar porque nunca jantávamos juntos. Como não queria abrir mão da malhação, fui tentando convencê-lo com jeitinho de que, se ele se matriculasse na academia, o problema da falta de tempo estaria resolvido. Durante um ano inteiro, levava folders que mostravam o ambiente, contava histórias de como o pessoal era bacana, até que um dia, quando estava saindo para malhar, o Dan simplesmente disse: ‘Ok, vou com você’”, conta a arquiteta. Há um ano, os dois treinam até cinco vezes por semana, juntinhos. Fazem musculação, spinning, jump e alongamento. “Ainda estou me acostumando com o ambiente porque não gosto de treinar em lugar fechado. Mas durmo melhor e o nosso relacionamento ficou muito mais saudável”, diz Dan. Além das duas horas que passam treinando, o casal volta para casa, janta, vê televisão... tudo a dois e sem stress.

Sozinha no fim de semana, nunca mais

Juliana e William se conheceram na academia há oito anos e continuam malhando até hoje. Mas, quando William decidiu entrar de cabeça na corrida, foi sozinho. “Eu o incentivava, mas não sentia a menor vontade de correr”, diz Juliana. William dedicava muitas horas do seu final de semana para os treinos e também para as provas, que normalmente acontecem aos domingos. “Era sempre a mesma coisa, não tinha meu marido durante as manhãs”, conta. Às vezes, para espantar a monotonia, Juliana o acompanhava nos treinos. “Eu me sentia um peixe fora d´água. Todos tinham a corrida em comum, terminavam a prova e conversavam sobre o desempenho, o percurso e eu não tinha nada a dizer. Por outro lado, a energia da turma era tão legal que comecei a achar que estava perdendo alguma coisa.” Depois de um ano indecisa, Juliana fez uma tentativa e foi experimentar um treino no grupo do marido. Nunca mais parou. Desde 2004, quando participaram de uma corrida pela primeira vez, a performance dos dois só melhorou e o relacionamento ganhou mais cumplicidade. “Como tenho mais experiência, dou alguns toques importantes para Ju e procuro acompanhar o ritmo dela, nem que isso signifique aumentar o meu tempo de prova”, diz. Juliana, por sua vez, tem um motivo e tanto para se derreter com essa história: “William faz questão de me dar a mão para cruzarmos juntos a linha de chegada. Assim, nunca vou parar de competir!”

terça-feira, 5 de junho de 2012

Beber água no inverno é tão importante quanto no verão!


Ao contrário do que muita gente pensa, beber água no inverno é tão importante quanto no verão. Tudo bem, em dias mais quentes sentimos mais sede, porém nosso corpo também precisa de hidratação nos dias frios (e como precisa). A água tem uma importância vital para o organismo humano, porém, nem todos consomem a quantidade suficiente para o bom funcionamento dos órgãos. O organismo precisa estar equilibrado para funcionar corretamente e qualquer excesso ou carência provoca um desequilíbrio prejudicial à saúde. Segundo a nutricionista Gyselle Rodrigues, a água ajuda a regular a temperatura corporal, por isso, precisamos consumi-la em qualquer estação do ano. “É fundamental não só para nosso metabolismo, mas também para manter a pele hidratada”. Para Gyselle, o consumo de água também ajuda a prevenir doenças pulmonares e respiratórias, características dessa época do ano.



Para quem não costuma beber água, sucos de frutas (maçã, laranja, morango, hortelã) e chás (mate, camomila, erva-cidreira e erva-doce) desempenham função semelhante.


Por Karla Precioso